Deixe um comentário

O mito do partido do povo

É próprio do ambiente político marcar posições por meio de símbolos e imagens que remetem o público a um conjunto de ações de cunho social, quando não mesmo valores nobres e altruístas. E algumas alas ideológicas desempenharam tão bem esse papel que, por mais que o partido esteja atolado em escândalos de corrupção, ainda ficará marcado nos corações das pessoas humildes, para sempre, como os representantes legítimos da defesa do povo.

É evidente que uma alegação dessas não sobrevive ao teste da verdade. No entanto, historicamente essa associação de partidos de esquerda e princípios igualitários datam desde a revolução francesa. O lema liberdade, igualdade e fraternidade sempre esteve associado ao movimento revolucionário, não importando a quantidade de sangue que seja derramado para antecipar o curso da história e realizar o dia do julgamento final aqui mesmo na Terra.

O princípio lógico por trás desse estratagema é extremamente simples, porém sutil: quando duas correntes de pensamento competem e uma delas se autodenomina como portadora da vontade do povo, resta ao opositor, portanto, a desconfortável posição de inimigo da população.

Desde logo, fica claro que o discurso adotado por um lado tem por objetivo fraudar o debate público e operar dentro de esquemas psicológicos e não fundado no primado da razão. Em outras palavras, na política, as disputas ocorrem fundamentalmente pelo controle da mente do eleitorado e nunca em função da eficiência da gestão pública.

Quanto maior os malfeitos do partido no poder maior será sua habilidade em jogar com os símbolos de aliado do povo. No Brasil nenhum partido levou esse esquema de manipulação pavloviano ao extremo quanto o Partido dos Trabalhadores. A arte de enganar só funciona porque o fazem de forma consistente e adotando um discurso único.

Eis um exemplo de como isso ocorre:

No mês passado a Câmara Municipal de Campinas sediou um debate sobre visibilidade de travestis e transexuais (ver vídeo abaixo) em que estiveram presentes associações LGBT bem como a porção de representação desse movimento dentro do aparelho do Estado. A discussão toda girou em torno de uma realidade: pessoas que vivem o gênero social em desacordo com o sexo biológico e as implicações legais de quem enfrenta a mudança de sexo.

O debate público em torno do tema é justo e legítimo desde que resguardada a defesa do indivíduo. Não cabe ao Estado interferir na vida privada, mas uma vez que as pessoas decidam por se apresentarem socialmente como entes opostos ao sexo do nascimento é preciso reconhecer a identidade legal destes cidadãos e garantir a segurança jurídica dos mesmos em situações de união civil. De uma forma geral era isso o que propunham os representantes presentes à mesa.

Assim, o debate era muito mais de bases jurídicas do que de fundo moral. No entanto, o vereador Carlão do PT, na condição de presidente da Comissão Permanente de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Câmara Municipal aproveitou a ocasião para semear dividendos políticos posicionando a legenda como porta-voz da minoria LGBT.

Aos 1:35:00 do debate ele declara que:

“O nosso mandato, tem que servir como uma ferramenta de resistência, de luta. Porque eu acho que o caminho para as mudanças, para o caminho de defesa de direito e para a transformação que a gente quer, eu acho que não passa nem pelo judiciário que está aí. Porque esse judiciário não foi feito para nós. Não foi feito para o povo. É um judiciário burguês assim como o Estado é um Estado burguês. E eu acho que a gente vai romper com essa lógica a partir do momento em que a gente tiver um movimento articulado. Um movimento articulado com movimento social em geral.”

Para logo em seguida, aos 1:38:50, disparar:

“Eu só acredito nessa transformação com resistência, luta e enfrentamento porque a burguesia não quer mudança. Ela não vai abrir mão da sociedade que ela construiu. Somos nós que vamos romper barreiras. Eu acho que o movimento mostrou que é possível. Em Junho de 2013 o movimento provou que quando, coletivamente, a gente vai para as ruas conseguimos ser ouvidos. Então vamos lutar juntos!”

O que tudo isso tem a ver com o reconhecimento legal de uma identidade de gênero e segurança jurídica de quem opta pela união civil? Absolutamente nada!

O leitor deste blog já deve ter notado que, se o vereador Carlão do PT não está interessado em resolver um problema de ordem legal, então ele faz uso de sua presidência afrente da Comissão Permanente de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania com o único intuito de cooptar uma base de apoio que ofereça sustentação para o seu partido, independentemente de beneficiar ou não quem ele alega representar.

Já passou da hora de desmascararmos todo e qualquer político que use de subterfúgios tão baixos para enganar o povo e eternizar-se no poder.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: