Deixe um comentário

Uma maçã boa no cesto de maçãs podres

Quando um vereador cumpre com suas atribuições – a saber, fiscalizar o Poder Executivo e legislar sobre temas de interesse da população – a tendência é elevá-lo a condição de bom político. Na verdade, ao fiscalizar as contas públicas o vereador não faz mais do que a sua obrigação. Políticos são eleitos justamente para isso e o mínimo que se espera é que façam jus ao salário que recebem.

No entanto, a percepção geral é a de que, ao cumprir com suas responsabilidades, o político em questão cai nas graças do povo, em uma completa distorção dos valores morais.

Essa percepção de uma suposta virtude do político só existe porque as “boas ações” tomaram o lugar das suas responsabilidades no zelo com a coisa pública no espectro das ações políticas. Na verdade, o eixo de avaliação do homem público está deslocado para o outro polo: sendo comuns os atos de corrupção, nepotismo, aparelhamento do Estado para benefício do partido, negociatas para favorecer licitações, superfaturamento de contratos entre outras baixarias bem conhecidas do brasileiro e que suscitam nojo em quem queira levar o debate político a sério.

Dito isso, as ações parlamentares que serão listadas a seguir não adquirem a condição de um serviço prestado que transcende os limites do bom trabalho. Muito pelo contrário, exercer o cargo de vereador com responsabilidade é aquilo que se espera de quem foi empossado para ser o representante do povo na administração dos recursos do município.

***

O propósito deste blog é expor o bom e o mau trabalho na Câmara Legislativa de forma intelectualmente honesta, mantendo a isenção ideológico-partidária quanto à origem dos vereadores. Com isso, espera-se que este pequeno esforço individual contribua para que os eleitores/moradores de Campinas possam tomar uma posição política com base nos feitos de nossos representantes eleitos.

Assim, sinto me obrigado a elencar uma série de atitudes responsáveis no exercício das atribuições parlamentares do vereador Artur Orsi. Apenas para citar alguns poucos exemplos destaco:

Justiça seja feita, ainda que o vereador Artur Orsi tenha gerado mal estar dentro do próprio partido por manter a coerência e assumir as próprias convicções em detrimento das vontades partidárias, recai sobre o mesmo o ônus de não responder aos questionamentos deste blog quando convidado a fazê-lo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: